Concordância nominal e verbal- entenda o que é e como usá-las.

Entenda o que é concordância nominal e verbal e como usá-las corretamente

Concordância nominal e verbal: um rapaz escrevendo em um caderno.

Você sabe o que é concordância nominal e verbal? Bom, quando vamos produzir um texto, seja ele para uma prova da escola, para algum processo seletivo ou até mesmo uma carta com um caráter um pouco mais formal, além de ser necessário se atentar ao conteúdo que será abordado é importante ter uma atenção especial a como ele será construído. 

Ou seja, uma correta conexão entre as frases e uma relação de sentido entre todas as partes do texto, possibilitam uma leitura fluida e uma melhor compreensão do que se está querendo transmitir. 

E uma das condições para que um texto seja bem escrito é a concordância nominal e verbal, pois ela garante a coerência e clareza dos argumentos. 

Por isso, neste artigo, iremos te mostrar o que é a concordância nominal e verbal e como usá-las corretamente em seus textos. Bora? 

Concordância nominal e verbal: uma pessoa escrevendo em seu caderno.
Créditos: kapinosova / depositphotos

Concordância nominal 

A concordância nominal é a relação entre os nomes de um texto, ou seja, adjetivo, pronome, numeral e substantivo. Isto é, a concordância nominal estabelece uma correlação entre o substantivo e todos os nomes que estejam ligados a ele. Veja os exemplos:

Eu já li estes três livros, são maravilhosos! 

Observe que nessa frase o pronome “estes” está no plural, pois refere-se a três livros e não apenas um. Já o adjetivo “maravilhosos” também está no plural, por se tratar de mais de um livro, e no masculino, pois concorda com o substantivo masculino.

Logo, não seria correto usar o adjetivo “maravilhosa”, pois não ocorre a concordância em gênero com o substantivo. E nem “maravilhoso”, pois, por mais que a concordância em gênero esteja adequada, ele não concorda em número, uma vez que se o substantivo está no plural o adjetivo deve respondê-lo. 

Regras da concordância nominal 

Adjetivo e substantivo 

  1. O adjetivo deve concordar em gênero e número com o substantivo. Exemplo:

Que almoço gostoso!

Almoço: substantivo masculino singular;

Gostoso: adjetivo masculino singular. 

  1. Quando há mais de um substantivo e o adjetivo se encontra anterior a eles, o adjetivo deve concordar com aquele que está mais próximo. Exemplo:

Que bonito quadro e fotografia!

O adjetivo “bonito” está em concordância com o substantivo “quadro”.

  1. Quando há mais de um substantivo em que os dois forem nomes próprios, o adjetivo deve ficar no plural. Exemplo:

Fiódor Dostoiévski e Viktor Frankl são grandes autores.

O adjetivo “grandes” concorda com os nomes próprios. 

  1. Quando há mais de um substantivo e o adjetivo se encontra posterior a eles, o adjetivo deve concordar com o que está mais próximo ou com todos eles. Exemplo:

Que quadro e fotografia bonita!

Nesta frase, o adjetivo está concordando com o substantivo mais próximo. 

Que quadro e fotografia bonitos!

Aqui, o adjetivo está concordando com os dois substantivos. 

Um adjetivo e mais de um substantivo

Quando o adjetivo está caracterizando mais de um substantivo. 

  1. Coloca-se um artigo antes do último substantivo. Exemplo:

Adoro o idioma brasileiro e o japonês. 

  1. Coloca-se o substantivo e o artigo no plural. Exemplo: 

Adoro os idiomas brasileiro e japonês.

Números ordinais 

  1. Quando há números ordinais antes do substantivo, ele pode ser usado tanto no plural quanto no singular. Exemplo:

O segundo e o terceiro terreno.

O segundo e o terceiro terrenos. 

  1. Quando os números ordinais estiverem depois do substantivo, esse deve ser usado no plural. Exemplo:

Os terrenos segundo e terceiro.

Concordância verbal 

A concordância verbal diz respeito à flexibilidade do verbo ao número (singular e plural) e sujeito (primeira, segunda e terceira pessoa do discurso). Exemplo:

  • Eu gosto muito desse filme
  • Nós gostamos muito desse filme
  • Eles gostam muito desse filme

Repare que em todas as frases o verbo “gostar” se adapta ao sujeito em número e pessoa. 

Quando se trata de um sujeito composto, ou seja, um sujeito que possui mais de um núcleo, a conjunção será no plural. Exemplo:

  • Jogamos muito bem, tu e eu

(Nós = 1º pessoa do plural.

  • Joana e Gabriela cantaram muito ontem. 
  • Elas = 3º pessoa do plural.
  • Tu e teu irmão foram à igreja. 
  • Vós = 2º pessoa do plural.

Casos específicos da concordância verbal 

  1. Concordância em orações sem sujeito

Nas orações sem sujeito, o verbo fica na 3º pessoa do plural. Exemplos: 

  • Choveu muito durante a noite. 
  • amanheceu
  1. Concordância com o verbo haver 

Quando o verbo haver tem o sentido de ter, ele concorda com o sujeito ao qual se refere. Exemplos:

  • Nós dois havemos de ir ao cartório pela manhã. 
  • Muitas pessoas haviam desistido de fazer apostas. 

Porém, quando o verbo haver possui o sentido de existir, ele permanece no singular. Exemplos: 

  • muitas coisas boas aqui! 
  • Houve um grande conflito em minha família.

Diferença entre concordância nominal e verbal

Bom, como vimos, a concordância nominal e verbal divergem entre si. A concordância nominal diz respeito ao substantivo e aos seus termos referentes: adjetivo, numeral, pronome e artigo. 

Já a concordância verbal, refere-se ao verbo em relação ao sujeito. Isto é, o verbo deve concordar em número e gênero com o sujeito. Neste caso, além das regras gerais, é necessário estar atento aos casos especiais que devem ser estudados com particularidade. 

Agora você já entendeu o que é a concordância nominal e verbal! Que tal dar continuidade nos estudos lendo o nosso próximo artigo com 8 dicas incríveis sobre como se concentrar nos estudos

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp