Mulheres na ciência

Confira aqui o trabalho de grandes mulheres cientistas na história da humanidade!

189
mulheres na ciência

Quando pensamos em mulheres importantes na história da humanidade, sempre lembraremos de Olga Benário, Frida Kahlo, Joanna D’arc, Marie Curie e muitas outras. Restringindo o pensamento para a área de ciências da natureza e exatas, lembraremos aqui, algumas das maiores mulheres na ciência da humanidade.

  • Hipátia de Alexandria

    Hipátia, nascida em Alexandria, era profundamente respeitada pelo seu vasto conhecimento em áreas como: matemática, física e filosofia. Também foi responsável pelo desenvolvimento do Astrolábio, item utilizado para resolver problemas geométricos, determinar posição de estrelas no céu, etc.

    Filha de Téon de Alexandria que também era um renomado conhecedor das áreas citadas, a então jovem estudiosa sempre se envolvera em um ambiente rico em conhecimento graças aos estudos de seu pai.

    Hipátia teve obras importantes na matemática, onde fazia comentários em obras de geometriaaritmética. Seus comentários foram publicada por Diofanto, conhecido como o “pai da aritmética”, em seu livro 13 Arithimetica, Diofanto foi um dos pioneiros em resolução de soluções e equações quadráticas e cúbicas.
    Hipátia foi assassinada por um grupo de cristãos revoltados em Alexandria, que por sua vez, vivia um momento de tensão entre Pagãos e Cristãos.

  • Émilie du Chatêlet

    Uma das maiores cientistas da história, Émilie não pôde entrar em uma universidade, pois, durante o contexto da França no século XVII não era permitido que mulheres estudassem, porém esse fato não impediu que Émilie se tornasse uma das mentes mais brilhantes de seu tempo.

    Em 1737, publicou um ensaio baseado nas suas pesquisas sobre a ciência do fogo que hoje é estudada como radiação infravermelho e a natureza da Luz. Também escreveu o livro Institutions de Physique em 1740, sendo apresentado como uma avaliação das novidades em ciência e filosofia.

    Émilie du Chatêlet faleceu em 1749, com 42 anos, e após sua morte fora publicada a sua maior obra no campo científico: a tradução para francês do livro Principia Mathematica de Isaac Newton, com seus próprios comentários. A tradução de Émilie é usada até hoje em livros em Francês, se tornando a tradução padrão.

  • Sonja Ashauer

    Apesar do nome, não se deixe enganar, Sonja é brasileira, nascida em São Paulo no ano de 1923. Sonja foi a primeira mulher brasileira a concluir o doutorado em física na então Universidade do Brasil, hoje UFRJ. Ashauer estudou na icônica Universidade de Cambridge onde fora aluna de Paul Dirac, vencedor do Nobel de Física em 1933.

    Durante sua estadia em Cambridge, Sonja obteve seu título de Doutora e foi a primeira mulher brasileira nomeada membro do Cambridge Philosophical Society (Traduzido do inglês – Sociedade Filosófica de Cambridge).

    Sonja falecera em 1948, com apenas 25 anos de idade. Chegou a estudar sobre eletrodinâmica quântica, quando o assunto ainda era novidade entre os cientistas da época.

  • Sonia Guimarães

    Nascida em Brotas, São Paulo, no dia 26 de junho de 1957, Sonia foi a primeira mulher a dar aula no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em um momento em que a instituição não aceitava mulheres como docentes. Também foi a primeira mulher negra brasileira doutora em Física, pela Universidade de Manchester. 

    Atualmente, a professora trabalha em projetos envolvendo estudantes de áreas carentes e em projetos feministas, visando reduzir o preconceito com mulheres e negros no cenário da pesquisa acadêmica brasileira.

  • Marie Curie

    De todas as mulheres citadas anteriormente, Marie Curie é uma das maiores personalidades científicas de todos os tempos. A polonesa fora a primeira pessoa a ser laureada dois prêmios Nobel em áreas diferentes, sendo um em física (1903) e o outro em química(1911), além de ser a primeira e única mulher a conquistar dois prêmios Nobel na história.

    mulheres na ciência

    Marie, junto de seu marido Pierre descobriram dois elementos novos na tabela periódica: o Polônio(Po) e o Rádio(Ra). Além disso, o elemento Cúrio(Cu) é uma homenagem ao casal Curie.

     

    Ademais, Marie foi uma das responsáveis pelo desenvolvimento de aparelhos portáteis de raio-x para hospitais, durante a primeira guerra mundial.
    Marie Curie, falecera na França, em 1934, por conta de uma Leucemia causada pela exposição a radiação do rádio, que Marie carregava em seus bolsos para a montagem de unidades móveis de Raio-X.

  • Como pode aparecer em vestibulares?

    Em química, questões sobre a radioatividade, que Marie Curie tanto pesquisara, são bem comuns nos exames. Em física, são altas a chances de aparecer uma questão sobre mecânica newtoniana, que Émilie du Châtelet traduzira para o francês. Na matemática, questões sobre equações quadráticas e aritmética, que Hipátia de Alexandria dominava, são muito recorrentes na maioria dos vestibulares.
    O brilhantismo de Sonja Ashauer e Sonia Guimarães podem aparecer em questões de sociologia ou até mesmo como tema de redação que visa criticar o baixo índice de mulheres na ciência.

    A produção científica e luta dessas mulheres citadas refletem em nossa sociedade até hoje, seja com instrumentos criados ou idéias. Portanto, é importante que saibamos dos erros no passado, para que no futuro eles não se repitam.

    Estude com o QG do ENEM e seja aprovado na Universidade que você sonha