Vida em vênus: entenda por que cientistas acreditam na possibilidade

Entenda os sinais detectados pela ciência de possível existência de vida em Vênus

474
Postado: 22 de setembro, 2020
vida em vênus

No dia 14 de setembro, foi publicado um artigo na revista Nature Astronomy que revelou a detecção de fosfina na atmosfera de Vênus, que seria um possível sinal de vida no planeta. Mas por quê? 

Para entender, precisamos começar da seguinte pergunta:

Como cientistas tentam descobrir se há vida em outros planetas sem nem mesmo sair da Terra?

A luz branca é composta por várias frequências de ondas e, quando é descomposta, podemos observar tais ondas em um arco-íris. Cada composto químico absorve a luz de forma distinta, ou seja, comprimentos específicos de onda, o que deixa “buracos” no arco-íris que chega aqui na Terra. Se cada composto absorve comprimentos específicos de luz, é possível saber com qual molécula se está lidando apenas olhando para esse espectro.

vida em vênus

Dessa forma, a luz do sol que é refletida por Vênus e chega aqui na Terra nos permite saber quais compostos químicos existem na atmosfera de Vênus.

O que pode indicar vida em algum planeta?

Para entender esse ponto, podemos usar o exemplo da Terra. Além da água, encontramos oxigênio e metano, que talvez se fossem encontrados sozinhos, não seria tão estranho, entretanto, ambos juntos é muito difícil ocorrer naturalmente por um efeito geológico. Como sabemos, o oxigênio vem das plantas e o metano dos seres vivos fazendo reações orgânicas naturais.

Vida em Vênus, como é possível?

É verdade que com temperaturas que ultrapassam os 465°C na superfície, uma pressão 92 vezes maior que a da Terra e uma atmosfera terrivelmente ácida, Vênus é um planeta que não parece apresentar hospitalidade alguma pra qualquer forma de vida, nem mesmo micróbios extremófilos.

Entretanto, segundo cientistas, nem sempre foi assim. No passado, havia grandes porções de água em estado líquido (que poderia até mesmo abrigar vida microscópica). Após o aquecimento da superfície, ao longo de milhões de anos, a vida mudou de local. O famoso cientista e divulgador científico Carl Sagan, publicou na revista Nature em 1967, uma hipótese que considerava a possibilidade de vida venusiana: “Não é nada difícil imaginar uma forma de vida típica às nuvens de Vênus”, supôs Sagan em seu artigo chamado “Vida na superfície de Vênus?”.

De fato, astrônomos provaram que em uma camada específica da atmosfera de Vênus, a uma altitude entre 50 e 65 quilômetros da superfície, há características químicas mais amenas, densidade razoável e temperatura próxima aos 30°C, condições habitáveis e semelhantes às encontradas na Terra. Ademais, nessa camada, foi-se encontrada recentemente a presença do gás fosfina.

Mas por que a fosfina indica possibilidade de vida?

A fosfina (PH3) é uma molécula composta por um átomo de fósforo e três átomos de hidrogênio (que em concentrações tóxicas tem odor de alho podre).

Na Terra, a existência natural de fosfina está associada a formas de vida anaeróbicas, ou seja, microrganismos que não precisam de oxigênio para viver. É encontrada por exemplo: em micróbios que vivem na entranha de animais e ambientes pobres em oxigênio, como pântanos.

Seguindo esse raciocínio, cientistas suspeitam que a fosfina da atmosfera de Vênus também tenha sido produzida por seres vivos.

A concentração de fosfina é relativamente pequena: a cada bilhão de moléculas atmosféricas que vagam pela região analisada, apenas 20 são do composto. Entretanto, segundo cientistas, a taxa é significativamente alta para vir de uma fonte não viva, mesmo se os supostos micro-organismos de Vênus tenham 10% da eficiência que micróbios da Terra possuem ao produzir fosfina.

Mas apesar disso tudo, é importante deixar claro que: não há prova de que exista vida em Vênus. Os pesquisadores não estão dizendo que encontraram vida, apenas que encontraram fosfina em Vênus, cuja existência ainda é um mistério. Sim, pode ser produzida por uma possível forma de vida, como também pode vir de processos químicos que a ciência desconhece. O estudo é de fato revelador e qualquer que seja a conclusão, com certeza será um ganho para a ciência, por mais que não seja uma evidência definitiva de vida extraterrestre.

vida em vênus

Por isso, é necessária a coleta de mais informações e pistas, além de enviarem sondas para Vênus, para confirmar presença de fosfina e outras moléculas indicadoras de vida. A Veritas, missão da Nasa que fará a próxima visita a Vênus, está marcada para acontecer entre 2025 e 2029.

Gostou das dicas? Para ler mais matérias do Blog do QG, clique aqui!