Traduzindo a Diabetes

1334

Estudos divulgados recentemente foram um alerta para a população mundial. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o número de casos totais de diabetes é 4 vezes maior do que em 1985. Em números: a doença está associada a 3,7 milhões de mortes anualmente; 1 a cada 11 pessoas sofrem dela; e 8.5% da população é diabética e a maioria apresenta a doença no tipo 2, que é relacionada a maus hábitos alimentares e uma vida não saudável. Estima-se que até 2030, o diabetes seja a sétima maior causa de morte. A pesquisa divulgada no dia 31 de março, mostrou que 10% dos homens e 14% das mulheres do planeta podem ser considerados obesos.

Por ser um estudo muito recente e que influência a qualidade de vida de muitas pessoas, acredita-se que a questão alimentar pode aparecer de diferentes formas no Enem. Uma, é pela redação que pode abordar os hábitos alimentares dos brasileiros, para praticar com o tema, clique aqui. A outra seriam questões na prova de Ciências da Natureza. Primeiramente, vamos entender de forma simples, como a diabetes funciona.

O diabetes pode se apresentar em dois tipos. O tipo 1 pode ser descoberto com qualquer idade, mas é facilmente identificado já pela infância, uma vez que trata-se de uma herança genética.

O corpo é composto por células que obtém energia através de glicose, dessa maneira, temosdiabetes energia para andar, correr e fazer todas as atividades. As células ficam esperando pela glicose. Seu estômago quebra carboidratos dos alimentos ingeridos, como por exemplo, arroz e pão, para produzir glicose. Ela “viaja” na sua corrente sanguínea indo diretamente para as suas células. A glicose precisa da insulina para quebrar a “porta” das células, e assim entrar nelas. Seu corpo produz insulina no pâncreas, que é logo embaixo do seu estômago. Com a diabetes do tipo 1, o seu corpo não produz insulina, por nenhum motivo, ele simplesmente não produz. Quando as células não conseguem obter glicose, elas ficam cansadas e não conseguem fazer suas “tarefas”. O corpo começa a quebrar gordura para conseguir energia, e pode acabar perdendo peso. Ele decide que há glicose demais, então, tenta se livrar dela fazendo você urinar. Mas urinar muito, te faz ter sede. Por isso, o paciente passa a tomar doses de insulina, geralmente por injeções, permitindo que a glicose entre nas células.

O tipo 2 significa que seu corpo não produz insulina o suficiente ou não reage a ela. Os sintomas podem ser controlados com dieta, exercício e monitoramento da glicose no sangue. Geralmente, tem conexão com obesidade e aparece mais tardiamente.

Como escrevemos anteriormente, todas as nossas células precisam de glicose para funcionar normalmente. A glicose é transportada pelo seu sangue e através da insulina, entra nas células. A gordura, provocada pela obesidade, é bem mais ativa do que pensamos. Ela bombardeia as células com uma mistura de elementos químicos, fazendo com que elas não reajam corretamente à insulina, logo, a glicose não entra nas células. Essa resistência pode acarretar no diabetes tipo 2. Com isso, o pâncreas fica sobrecarregado, produzindo mais insulina para compensar. Mas o órgão pode “pifar”, produzindo menos insulina quando seu corpo mais precisa. Estar com sobrepeso aumenta o risco de desenvolver diabetes, pois seu corpo passa a ter um nível perigoso de glicose no sangue, podendo prejudicar seus órgãos principais.

Deixamos aqui uma questão do Enem sobre o assunto para vocês treinarem.

O metabolismo dos carboidratos é fundamental para o ser humano, pois a partir desses compostos orgânicos obtém-se grande parte da energia para as funções vitais. Por outro lado, desequilíbrios nesse processo podem provocar hiperglicemia ou diabetes.
O caminho do açúcar no organismo inicia-se com a ingestão de carboidratos que, chegando ao intestino, sofrem a ação de enzimas, “quebrando-se” em moléculas menores (glicose, por exemplo) que serão absorvidas.
A insulina, hormônio produzido no pâncreas, é responsável por facilitar a entrada da glicose nas células. Se uma pessoa produz pouca insulina, ou se sua ação está diminuída, dificilmente a glicose pode entrar na célula e ser consumida. 
Com base nessas informações, pode-se concluir que:
a) o papel realizado pelas enzimas pode ser diretamente substituído pelo hormônio insulina.
b) a insulina produzida pelo pâncreas tem um papel enzimático sobre as moléculas de açúcar.
c) o acúmulo de glicose no sangue é provocado pelo aumento da ação da insulina, levando o indivíduo a um quadro clínico de hiperglicemia.
d) a diminuição da insulina circulante provoca um acúmulo de glicose no sangue.
e) o principal papel da insulina é manter o nível de glicose suficientemente alto, evitando, assim, um quadro clínico de diabetes.

Gabarito:D

Para os candidatos ao curso de Medicina, preparamos um curso com aprofundamento das matérias de Biologia e Química, além de simulados, perguntas aos professores e muito mais. Confira aqui.

banner-noticia