Quais são as línguas faladas no Brasil?

Descubra quais línguas, além do Português, são faladas no Brasil

6270
Postado: 20 de dezembro, 2019
Línguas faladas no Brasil

Todo mundo sabe que o idioma oficial do Brasil é o Português. Porém, o que muitos não sabem é que no Brasil há 274 línguas faladas, além do Português, segundo o censo IBGE de 2010. Pensando nisso, o QG fez uma matéria especialmente para você conhecer quais são as principais línguas faladas no nosso território. Confira!  

Línguas faladas no Brasil

Antes de tudo, é necessário entendermos alguns conceitos presentes nessa discussão, como a diferença entre língua, idioma e dialeto.  

Língua: Considerada um instrumento de comunicação, é composta por regras gramaticais e convenções, que permitem que seus falantes estabeleçam contato entre si, formando uma comunidade.  

Idioma: Considerado a língua de um povo ou nação, o idioma é oficializado pelo Estado, e é um dos elementos que distingue um Estado dos demais.  

Dialeto: Considerado como a forma que uma língua é realizada em uma dada região. Está intimamente ligado a variedade linguística.  

Pensando nesses conceitos, identificamos que embora o Português seja uma língua, e o IDIOMA oficial no Brasil, no nosso país coexistem diversas outras LÍNGUAS e também dialetos. Assim, vale ressaltar que todo idioma é uma língua, mas nem toda língua é um idioma, certo?  

POMERANO

O pomerano é uma língua originária do baixo alemão, com características muito próximas do holandês e do saxão antigo. No Brasil, há uma comunidade falante muito forte do pomerano no Espírito Santo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, pois se tratam de territórios que foram muito procurados por refugiados durante a Segunda Guerra Mundial. Além disso, vale lembrar que durante o governo de Vargas, o Pomerano foi fortemente combatido, com apoio da campanha de nacionalização.  

TENETEHARA

A língua Tenetehara é da família linguística do tupi-guarani e é falada tanto pelo ramo oriental dos Tenetehara, os Guajajaras, quanto como o ramo ocidental, os Tembé, que se localizam respectivamente no Maranhão e no Pará. No entanto, nem todos os indígenas desse povo falam o Tenetehara. Na aldeia Maçaranduba, por exemplo, vivem 402 pessoas, mas apenas 20 são fluentes. Por isso, há alguns grupos que lutam pela preservação dessa língua, bem como de sua história e cultura.  

LÍNGUA DE SINAIS KA’APOR BRASILEIRA

Ao contrário do que muitos pensam, no Brasil não há apenas uma língua de sinais. A língua de sinais Ka’apor é utilizada pelo povo indígena Ka’apor, e pode ter sido desenvolvida em função da elevada taxa de surdos nas aldeias, que entre 1949 e 1951 era de um surdo para cada 75 ouvintes. No entanto, segundo a UNESCO, a Ka’apor é uma língua com grandes riscos de entrar em extinção, seja pela baixa transmissão geracional, seja pela pequena quantidade de falantes.

Além desses três exemplos, existem cinco línguas no Brasil, com mais de 10 mil falantes, como: o Tikuna (34 mil falantes), o Guarani Kaiowá (26,5 mil falantes), o Kaigang (22 mil falantes), o Xavante (13,3 mil falantes) e o Yanomami (12,7 mil falantes).

 IORUBÁ

O Iorubá é mais uma das línguas faladas no Brasil, herança africana de nossa cultura brasileira. Era/é presente na etnia Nagô e hoje ganha destaque nas manifestações religiosas de religiosidades de matriz afro, principalmente o Candomblé. A língua Iorubá é um importante meio de melhor se comunicar com os Orixás da religião e é uma riqueza cultural brasileira que infelizmente continua sendo perseguida por diversos grupos intolerantes.

Por fim, é importante entendermos que a língua mais do que um instrumento de comunicação, é parte da cultura e história de um povo. Lutar pela preservação de línguas marginalizadas e negligenciadas, é lutar pela diversidade e pela memória de uma comunidade.  

COMPARTILHE
Artigo anteriorTumor: Benigno X Maligno
Próximo artigoDicas de leitura para as férias
Avatar
Graduanda em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É apaixonada pela cultura e história da América Latina e sonha em conhecer todo esse continente. Além disso, tem interesse pela área das artes e pela área da comunicação. Seu objetivo de vida é ser professora e fazer diferença na vida das pessoas.