Os desafios do desenvolvimento da atividade científica no Brasil contemporâneo

5246

12QGnianos, o tema de redação da semana está  disponíveeeel! Hora de praticar! Todas as nossas redações são corrigidas pela Imaginie! Não vai perder essa, né? Para ter acesso às correções, você deve ser um QGniano do Curso Completo, Acesso Ilimitado, Curso Completo+Foca na Medicina ou Curso Completo+Foca nas Humanas. O pessoal do Completo tem 15 dias para enviar sua redação e a galera do Ilimitado 7 dias, ok? Agora chega e vamos trabalhar no tema: Os desafios do desenvolvimento da atividade científica no Brasil contemporâneo

Atenção: Para os alunos do curso Completo, o prazo de entrega é até 25/03. Já para os alunos do Ilimitado, o prazo é até o dia 18/03.

Curso Completo: as redações deste tema podem ser entregues até o dia 25/03/2018.

Ilimitado: as redações deste tema podem ser entregues até o dia 18/03/2018.

Atente-se aos prazos do seu curso 😉 

TEMA: Os desafios do desenvolvimento da atividade científica no Brasil contemporâneo

A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema “Os desafios do desenvolvimento da atividade científica no Brasil contemporâneo”, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

 

TEXTO I

Cerca de mil pesquisadores e estudantes se reuniram neste domingo, 8, na Avenida Paulista, região central de São Paulo, para a 3ª Marcha pela Ciência. Eles pediam pelo fim dos cortes no orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Comunicações, que deve receber em 2017 apenas 20% do necessário para fechar as contas do ano. Com isso, há a ameaça de que alguns institutos tenham de fechar as portas no ano que vem.

“Não estamos lutando por melhores salário, estamos lutando para poder trabalhar, para fazer ciência. Estamos lutando pelo Brasil”, afirmou ao jornal “O Estado de S. Paulo”, durante a manifestação, Helena Nader, ex-presidente da Sociedade Brasileira pelo Progresso da Ciência (SBPC).

A manifestação, convocada pela entidade, juntamente com a Associação dos Pesquisadores Científicos do Estado de São Paulo (APqC), reuniu professores, estudantes e simpatizantes de instituições como USP, Unicamp, Unesp, Instituto de Pesquisas Tecnológicas e PUC-SP, que partiram do Masp e marcharam por cerca de 1h40 pela avenida.

Com gritos de guerra como “sem ciência não tem futuro” e “1, 2, 3, 4, 5 mil, se corta a ciência não avança o Brasil”, os manifestantes lembraram que sem ciência não há remédios – como viagra -, nem vacinas, e a agricultura não teria como avançar. Afirmaram que os cortes vão na contramão do que ocorre nos países desenvolvidos e também nos Brics, grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Disponível em: https://istoe.com.br/marcha-pela-ciencia-reune-cerca-de-mil-pessoas-na-avenida-paulista/ Acesso em 29 janeiro 2018

 

TEXTO II

Objetivos específicos – Marcha pela Ciência SP

1 – Valorização da ciência e do cientista

Sem ciência não existe desenvolvimento, portanto é urgente que a profissão de cientista esteja entre as tantas outras reconhecidas pela sociedade, assim como o produto do seu trabalho.

2- Pelo desenvolvimento e pela soberania do país

O avanço da ciência e tecnologia brasileira é fundamental para a promoção de um novo ciclo de industrialização capaz de catalisar um desenvolvimento econômico que seja socialmente e ambientalmente responsável, traçando um caminho para a superação da dependência econômica, cultural e tecnológica que limita as possibilidades de superação das desigualdades regionais.

3 – Maiores investimentos para pesquisa e carreira acadêmica

Estamos preocupados com a redução do investimento federal e estadual via agências de fomento como CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), FAPs (Fundações de Amparo à Pesquisa) e afins. Sem investimento não há ciência de qualidade. Se perdermos nossos cientistas, como será possível desenvolver o país?

4 – Mais contratações para Institutos de Pesquisa

Muitos Institutos de Pesquisa estão sucateados. Acreditamos que não basta direcionar investimento para a “modernização” destes centros, se não houver equipe qualificada para usufruir destes espaços. Dessa forma, lutamos por mais contratações em Institutos de Pesquisa Brasileiros.

5 – Maior investimento em ensino de ciências nas escolas brasileiras

Jovens treinados a pensarem de forma crítica darão origem a, uma sociedade pronta para discutir seus problemas e desafios de modo qualificado.

6 – Por mais direitos para pós-graduandas e pós-graduandos

É fundamental que todo cientista em formação que desejar, tenha acesso à bolsa de pesquisa durante TODO o mestrado e doutorado (universalização das bolsas de pesquisa). Defendemos também a assistência estudantil, licença parental (quando necessário), inscrição no INSS, reajuste anual de bolsas e uma política de inserção e fixação de mestres e doutores no território nacional.

7 – Pelo financiamento da ciência

Defendemos melhor financiamento à ciência, como por exemplo o direcionamento de 2% dos royalties do minério para a ciência e tecnologia e o cumprimento da alíquota de 1% do ICMS para o orçamento estadual à FAPESP.  Defendemos também o maior investimento de empresas públicas e privadas à Ciência.

8 – Pela volta do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Em 2016, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) foi extinto, e suas secretarias incorporadas ao Ministério das Comunicações, que passou a se chamar Ministério da Ciência, Tecnologias, Inovações e Comunicações. A junção dessas atividades em um único Ministério enfraqueceria o setor de ciência, tecnologia e inovação, que, em outros países, ganha importância em uma economia mundial crescentemente baseada no conhecimento e é considerado o motor do desenvolvimento. Europa, Estados Unidos, China, Coreia do Sul, são alguns exemplos de países que, em época de crise, aumentam os investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento, pois consideram que esta é a melhor maneira de construir uma saída sustentável da crise. Assim, defendemos a refundação do MCTI com financiamento adequado, bem como a reestruturação de importantes órgãos extintos neste processo: a Secretaria de Ciência e Tecnologia pela Inclusão Social (SECIS) e o Departamento de Difusão e Popularização da Ciência (DEPDI)

9 – Pela divulgação ampla e democrática de ciência

Grande parte da população brasileira, inclusive paulistana,  não se interessa pela ciência. Isso se dá, dentre outros motivos, devido à falta de preparo dos cientistas para falar de uma forma clara e inteligível sobre sua ciência. Dessa forma, defendemos maiores investimentos na formação de divulgadores científicos, como já vem acontecendo em algumas universidades do estado de São Paulo, visto que este também é um grande nicho profissional a ser ocupado.

10 – Contra a política de juros altos e cortes na ciência

Enfatizamos que os orçamentos da ciência, educação e saúde não devem ser cortados a cada evento de crise econômica, devendo-se buscar outras saídas para a superação da crise. Em especial, retomar a recomposição do orçamento do CNPq possibilitado a partir de recursos da repatriação de recursos não declarados no exterior.

 Disponível em:     Acesso em 29 janeiro 2018

  

TEXTO III

Disponível em: http://ciencia.estadao.com.br/blogs/herton-escobar/a-ciencia-brasileira-na-uti-2/ Acesso em 29 janeiro 2018