O estudo do discurso: polissemia e ambiguidade

Entenda as diferenças e como aparecem a polissemia e a ambiguidade no discurso

381
Postado: 15 de julho, 2020
polissemia ambiguidade

A polissemia e a ambiguidade são condições que frequentemente aparecem em discursos, seja de maneira intencional, seja de maneira não intencional. No entanto, diversos alunos não conseguem compreender a diferença entre as duas, e, pensando nisso, o QG elaborou uma matéria mostrando como a polissemia e a ambiguidade podem aparecer no nosso cotidiano, e como reconhecê-las.  

Em primeiro plano é importante entendermos que tanto a polissemia quanto a ambiguidade estão estreitamente relacionadas a multiplicidade ou duplicidade de sentidos. Enquanto a polissemia significa multiplicidade de sentidos que uma palavra ou locução podem ter em um dado contexto, a ambiguidade é a duplicidade de sentidos em uma mesma sentença. 

polissemia ambiguidade

POLISSEMIA 

A polissemia é um conceito da área da linguística, e configura-se como a capacidade de um vocábulo assumir diferentes sentidos em um contexto definido.  

Exemplos:  

letra de “Let It Be” dos Beatles é muito bonita. 

letra do candidato era ilegível. 

 

O jantar à luz de velas foi feito para comemorar as bodas de casamento.  

O menino estava segurando vela para o casal.  

As velas do barco estavam bem armadas.  

 

Desse modo, podemos dizer que a polissemia é amplamente explorada não só nas nossas falas do dia a dia, mas também em textos literários, como músicas, poemas e tirinhas e textos publicitários, devido sua capacidade de promoção de sentidos. 

 

AMBIGUIDADE 

A ambiguidade é considerada uma figura de linguagem, cuja característica é a duplicidade de sentidos que podem causar confusão a quem lê. Deste modo, vale salientar que a ambiguidade pode ser proposital, mas quando empregada de maneira não intencional, é considerada um vício de linguagem. Assim, é importante tomar muito cuidado com o que escrevemos, principalmente, na redação do ENEM, para evitarmos essa duplicidade.  

Exemplos:  

Visitei o ponto turístico do país que sofreu o atentado.  

Meu tio passou o fim de semana em sua casa.  

Adoro o cachorro do meu vizinho.  

  

Desse modo, a ambiguidade deve ser evitada em redações, respostas discursivas, mensagens formais, artigos e entre outros. Caso você queira aprender melhor sobre como evitá-la, o QG lançou novos planos de estudo direcionados a área de redação. Para conferir e conhecer mais sobre os cursos, clique aqui.