O desemprego e as relações trabalhistas em debate no século XXI

3085

QGnianos, o tema de redação da semana está disponívl! Hora de praticar! Todas as nossas redações são corrigidas pela Imaginie! Não vai perder essa, né? Para ter acesso às correções, você deve ser um QGniados do Curso Completo, Acesso Ilimitado, Curso Completo+Foca na Medicina ou Curso Completo+Foca nas Humanas. O pessoal do Completo tem 15 dias para enviar sua redação e a galera do Ilimitado 7 dias, ok? Agora chega e vamos trabalhar no tema: O desemprego e as relações trabalhistas em debate no século XXI.

Atenção: Para os alunos do curso Completo, o prazo de entrega é até 29/07. Já para os alunos do Ilimitado, o prazo é até o dia 22/07.

Curso Completo: as redações deste tema podem ser entregues até o dia 29/07/2018.

Ilimitado: as redações deste tema podem ser entregues até o dia 22/07/2018.

Tema:  O desemprego e as relações trabalhistas em debate no século XXI

A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija um texto dissertativo-argumentativo na modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema:  O desemprego e as relações trabalhistas em debate no século XXI Apresente proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

TEXTO I

Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2015/04/desemprego-no-brasil-esta-abaixo-do-indice-de-paises-europeus> acesso em 16 fev. 2016

VEJA EXEMPLOS DE REDAÇÃO DO TEMA

TEXTO II

Trabalho informal é caracterizado como a prática de uma determinada atividade econômica sem que haja registros oficiais, como, por exemplo, assinatura da carteira de trabalho, emissão de notas fiscais, algum tipo de contribuição e contrato social de empresa. Portanto, o trabalho informal não se limita à atuação dos “camelôs”, incluindo todas as atividades financeiras desprovidas de registros.

Conforme dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), existem mais de 300 milhões de trabalhadores informais no mundo, sendo que mais de 30 milhões são brasileiros. No Brasil, essa atividade é consequência do excesso de tributos, burocracia para atuar legalmente, desemprego estrutural, entre outros fatores, sendo a única forma para milhões de pessoas terem uma fonte de renda. Porém, a economia informal também é praticada por organizações criminosas.

Disponível em: <http://alunosonline.uol.com.br/geografia/trabalho-informal.html> Acesso em 18 fev. 2016.

TEXTO III

O emprego informal no País, em julho, absorveu 34,8% da população economicamente ativa (PEA), a menor taxa de informalidade desde 2002, quando o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) deu início à Pesquisa Mensal de Emprego (PME). A taxa de desemprego, que ficou em 6%, também é a menor da série histórica.

O estudo classifica como “bom” o desempenho do mercado de trabalho no primeiro semestre, com melhora “significativa” da maioria dos principais indicadores. A análise constata, em relação ao nível de atividade, “uma continuidade do crescimento da economia, porém em menor ritmo”.

Disponível em: < http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2011-09-01/desemprego-e-emprego-informal-cairam-em-julho-ao-menor-nivel-desde-2002>. Acesso em 18 fev. 2016

TEXTO IV

Disponível em: <http://caminhosdosaberhistorico.blogspot.com.br/2011/08/charge-sobre-desemprego.html> Acesso em 18 fev. 2016