O combate a endemias e epidemias no Brasil do Século XXI

46962

Toda segunda-feira liberamos um novo tema de redação para nossos alunos praticarem. Nesta semana, o tema em questão é: “O combate a endemias e epidemias no Brasil do Século XXI”. Para ter acesso à correção, adquira o curso Redação na Prática! Confira aqui.

Texto 1

 Surto, epidemia, pandemia e endemia: entenda qual é a diferença entre eles

 Você sabe por que a dengue é uma epidemia e não um surto?

A resposta está na ocorrência de casos nas cinco regiões do Brasil. Uma doença é considerada uma epidemia quando há número de casos acima do esperado em diversas localidades. Se a dengue tivesse atingido, mesmo em grande número, apenas regiões isoladas, seria considerada um surto.

Surto: acontece quando há o aumento repentino do número de casos de uma doença em uma região específica. Para ser considerado surto, o aumento de casos deve ser maior do que o esperado pelas autoridades. Em algumas cidades (como Itajaí-SC), a dengue é tratada como surto (e não como epidemia), pois acontece em regiões específicas (um bairro, por exemplo).

Epidemia: a epidemia se caracteriza quando um surto acontece em diversas regiões. Uma epidemia a nível municipal acontece quando diversos bairros apresentam uma doença, a epidemia a nível estadual acontece quando diversas cidades têm casos e a epidemia nacional acontece quando há casos em diversas regiões do país. Exemplo: no dia 24 de fevereiro, vinte cidades haviam decretado epidemia de dengue.

Pandemia: em uma escala de gravidade, a pandemia é o pior dos cenários. Ela acontece quando uma epidemia se espalha por diversas regiões do planeta. Em 2009, a gripe A (ou gripe suína) passou de epidemia para pandemia quando a OMS começou a registrar casos nos seis continentes do mundo.  A aids, apesar de estar diminuindo no mundo, também é considerada uma pandemia.

Endemia: a endemia não está relacionada a uma questão quantitativa. Uma doença é classificada como endêmica (típica) de uma região quando acontece com muita frequência no local. As doenças endêmicas podem ser sazonais. A febre amarela, por exemplo, é considerada uma doença endêmica da região Norte do Brasil.

(educação.uol.com.br)

 Texto 2

 epidemia

 

Texto 3

 Roupa anti-mosquito contra o zika

 Marca para gestantes lança linha de roupas com citronela e aumenta as vendas em 30%

 Não é só o Estado que anda mobilizado para combater a epidemia de zika vírus no Brasil – que vive sua maior crise de saúde pública desde os anos 80, quando teve de enfrentar a emergência mundial da Aids. Amparada pela ciência, a iniciativa privada busca soluções para proteger a população do Aedes Aegypti e, de quebra, ainda gera negócios em um momento de recessão econômica. É o caso da marca paranaense para gestantes Megadose, que lançou na última quinta-feira, 10 de março, uma linha de roupas com repelente, a MGDO Cares.

Como um bebedouro no deserto, a iniciativa tem atraído grávidas apavoradas com o risco de se infectar com o vírus, transmitido pelo catastrófico mosquito – ao qual se atribui em grande parte o aumento global dos casos de microcefalia em recém-nascidos. E nasceu de uma ideia simples: por que não aproveitar a roupa para se proteger das picadas, acrescentando a ela citronela – eficaz na repelência dos mosquitos e abundante no país? Só faltava descobrir a tecnologia que garantisse a adesão e a permanência da substância nas peças, apesar do uso e das lavagens.

Qual não foi a alegria de João Ricardo Esteves, diretor da Megadose, com sede em Cianorte, ao saber que ela já existia. “Estávamos instigados com o medo das gestantes por causa do zika. Fizemos uma força-tarefa e descobrimos uma empresa que criou um processo em que a cápsula [de citronela] é inserida na fibra do tecido. Fomos atrás também de fornecedores de citronela e dos tecidos adequados e criamos a coleção em tempo recorde”, conta o executivo, que assinou contratos temporários de exclusividade com os novos parceiros e viu suas vendas crescerem de 20 a 30% na rede de 1.000 multimarcas em que está presente em apenas 20 dias. (…)

(brasil.elpais.com)

 Texto 4

 Cidades sustentáveis e saudáveis: microcefalia, perigos do controle químico e o desafio do saneamento universal

(…) O crescimento exponencial da epidemia de dengue (em 2015, o Ministério da Saúde registrou 1,649,008 casos prováveis desta virose no país e houve um aumento de 82,5% dos óbitos em relação ao ano anterior). A expansão territorial da infestação pelo Aedes aegypti atestam o fracasso da estratégia nacional de controle. Com o surgimento da epidemia do zika vírus, com repercussões ainda mais danosas ao ser humano, urge a revisão de nossa política e do programa de controle da infestação dos Aedes visando impedir a ocorrência de epidemias por arbovírus.

Vários fatores estão envolvidos na causa dessa tragédia sanitária. Trata-se de um fenômeno complexo. Para a Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva), a degradação das condições de vida nas cidades, saneamento básico inadequado, particularmente no que se refere à dificuldade de acesso contínuo a água, coleta de lixo precária, esgotamento sanitário, descuido com higiene de espaços públicos e particulares – são os principais responsáveis por esse desastre.

Observa-se que a distribuição espacial por local de moradia das mães dos recém-nascidos com microcefalia (ou suspeitos) é maior nas áreas mais pobres, com urbanização precária e  saneamento ambiental inadequado. Nestas áreas, o provimento de água de forma irregular ou intermitente leva essas populações ao armazenamento domiciliar de água de modo inadequado, condição muito favorável para a reprodução do Aedes aegypti. (…)  (www.abrasco.org.br)

 

Com base na leitura dos seguintes textos motivadores e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em modalidade escrita formal da língua portuguesa sobre o tema O combate a endemias e epidemias no Brasil do Século XXI, apresentando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

 

Instruções

 

– O texo definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.

– A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.

– A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo-argumentativo receberá nota zero.

– A redação que apresentar proposta de intervenção que desrespeite os direitos humanos receberá nota zero.

– A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.