Impacto ambiental do óleo no Nordeste

Entenda o grande impacto por trás de um dos maiores desastres ambientais do Brasil.

480
óleo no nordeste
Foto: Márcio Neves/R7

Há mais de dois meses, houve o surgimento de manchas de óleo no Nordeste, que foi identificado primeiramente na Paraíba no dia 30 de agosto e que, desde então, já foi-se presenciado ocorrências de manchas em mais de 250 locais. A grande problemática envolve questões ambientais, sociais e econômicas.

Impacto ambiental: 

O petróleo cru derramado tem potencial de danificar permanentemente o ecossistema marinho das regiões afetadas. O nível de contaminação pelo petróleo é por inúmeras razões gritante e, em ambiente marinhoe, essa situação se agrava por causa das correntes, que levam o petróleo para locais além do lugar inicial do vazamento. O petróleo é um combustível fóssil que tem mais de 200 hidrocarbonetos (moléculas que contém apenas carbono e hidrogênio em sua composição), entre eles, o mais preocupante é o benzeno, por ser altamente tóxico e cancerígeno.

óleo no nordeste
Foto: Adriano Machado/Reuters
  • Cadeia alimentar e a Biomagnificação: 

A contaminação do petróleo vira um grande problema quando pensamos na cadeia alimentar, porque o petróleo contamina algas e plânctons, que servem de alimento para peixes pequenos que também acabam se contaminando e servindo de alimento para peixes maiores, que se contaminam, podendo até mesmo contaminar humanos, por nos alimentarmos de certos peixes. Esse fênomeno é conhecido como biomagnificação, que é o acúmulo progressivo de substâncias ao longo de uma cadeia alimentar.

  • Maré negra:

O petróleo pode também criar esse outro fênomeno, bloqueando a passagem de luz e o calor do sol, o que impede a fotossíntese das algas, diminuindo a quantidade de oxigênio na águam e matando peixes e outros organismos.

  • Espécies ameaçadas:

O contato imediato do óleo com algumas espécies também é prejudicial e pode causar morte. A composição tóxica pode acabar se impregnando no tecido de mamíferos, tartarugas, peixes e outras espécies marinhas, podendo matá-los sufocados ou por impedir a regulagem da temperatura corporal. Pode também prejudicar aves, sujando suas asas e as impedindo de realizar seu vôo.

Impacto Social:

Os danos desse desastre são incalculáveis e uma das maiores preocupações é que a contaminação química vai muito além do que enxergamos a olho nu, ou seja, mesmo quando aparentar “limpo”, pode ainda estar com toxinas e impróprio para os animais, humanos e para a prática de certas atividades econômicas. Os motivos de ser impróprio para nós são que as toxinas presente no petróleo podem causar uma série de danos à saúde:

  • Dor de cabeça;
  • Náuseas e vômitos;
  • Dificuldades respiratórias;
  • Dermatites e doenças de pele;
  • Atinge o sistema reprodutivo e pode interferir na gravidez;
  • Benzeno é um composto cancerígeno.

Além disso, não é apenas o contato direto com a água que pode causar danos. Às vezes, uma simples caminhada na praia pode criar o contato com resíduos do óleo ou a inalação de gases liberados por ele.

Impacto Econômico

Esse desastre vai impactar atividades econômicas como o turismo, pois umas das maiores atrações do local são justamente as praias, que estão contaminadas e impróprias para serem utilizadas. Ademais, a pesca também encontra-se afetada, porque como os peixes podem estar contaminados. O comércio deles é um risco a saúde.

Dessa forma, conseguimos entender o porquê desse desastre estar sendo uma das maiores agressões ambientais já sofridas pelo país. No momento, o que deveria ser feito é impedir que o óleo se espalhe e prejudique mais regiões. Entretanto, infelizmente, os danos já foram feitos e será um longo tempo até serem de fato reparados.

Gostou? Para saber mais sobre o assunto e ficar antenado nas notícias do Portal R7, clique aqui. Para conferir mais matérias do blog, clique aqui.