ENEM 2017: Análise das Provas – Dia 1

4550

QGnianos, hoje foi o dia das provas de Ciências Humanas, Linguagens e Redação. Fomos ao O Globo corrigir as questões e tivemos um retorno super legal dos professores do QG. Separamos alguns detalhes importantes, por disciplina:

História

A prova manteve o foco de abordar assuntos como antiguidade clássica, Era Vargas, Regime Militar e escravos negros e indígenas. Porém, foi uma prova mais conteudista. As questões costumavam ser mais interpretativas, agora, foi muito necessário  que o aluno dominasse conteúdos específicos. A questão sobre a estilista Zuzu Angel chamou atenção por ser uma questão bem difícil.

O ENEM quebrou a expectativa de todos que esperavam que a Revolução Russa entrasse na prova, uma vez que esta completava 100 anos, mas o assunto não apareceu em nenhuma questão. Mesma coisa para a Reforma Protestante que completou 500 anos. Apesar das datas comemorativas terem um peso, são assuntos que não costumam aparecer no ENEM, o que pode explicar a ausência dos temas.

Geografia

A prova de Geografia trouxe uma mudança considerável, focou muito mais em Geografia Física, bem mais do que nos anos anteriores. Geralmente os alunos costumam focar em Geografia Política, mas pra esse ano, era importante saber balancear os dois campos da disciplina. A prova apresentou questões difíceis como sobre o transporte da soja, a questão da Palestina e sobre o comércio internacional.

Sociologia

A prova ainda se preocupou com a temática social, assim como nos outros anos, abordando a questão indígena, mulheres, demarcação de terras, políticas contemporâneas do Estado, entre outras. Uma questão que vale destacar é a sobre a demarcação de terras indígenas, onde o Estado demarca terras para essa população.

Filosofia

O conteúdo cobrado de Filosofia foi considerado mais tranquilo que o ano passado e nenhum tema pegou os alunos de surpresa. O foco maior da prova foi em política e tiveram questões explicitamente falando sobre Habermas e Rawls.

Algumas questões dependiam de repertório direto do aluno. Exemplo disso, foram as questões sobre Demócrito, era necessário saber da ideia de átomo, e Sócrates, era necessário saber o termo “dialético”. A presença escassa de filosofia moderna foi uma surpresa, aparecendo somente na questão sobre Kant.

Língua Estrangeira

As provas de Língua Estrangeira não apresentaram muitas mudanças. Porém, na prova de Inglês foi possível perceber como o conhecimento de mundo facilitaria responder as questões, por exemplo, ao citarem a pintora Frida Kaho. Além disso, a prova de Inglês não foi composta de textos densos, diferentemente da prova de Espanhol. Esta, por sua vez, apresentou textos maiores, falou da Espanha, Uruguai, misturando diversas culturas espanholas. Fora isso, a prova de Espanhol focou mais em gramática do que a de Língua Inglesa.

Linguagens

Foi uma prova mais densa, com textos mais longos, mas que ao mesmo tempo mostra como o ENEM vem se modernizando. A prova de Linguagens contou com figuras clássicas do ENEM, como Chico Buarque e Paulo Leminski, mas também trabalhou uma imagem de grafite. As questões mantiveram o caráter de cobrar muito texto publicitário, além de poemas, variações Linguísticas, a relação entre as línguas, função de linguagem, gêneros textuais e textos teatrais. A questão social marcou presença na prova, utilizando uma imagem super forte sobre a violência contra a mulher.

Gabarito Extraoficial

Prova Amarela

Prova Azul

Prova Branca

Prova Rosa