Ecologia: a posição do homem na cadeia alimentar - Blog do QG do Enem

Ecologia: a posição do homem na cadeia alimentar

cadeia alimentar

Na atualidade, existem grandes debates entre carnistas e vegetarianos e/ou veganos. Um dos argumentos muito utilizado por pessoas que se alimentam de animais é a justificativa de que isso seria o correto pois os seres humanos estão no topo da cadeia alimentar. Entretanto, esse argumento não está certo. Mas então, onde o homem está na cadeia alimentar?

O que é a cadeia alimentar? 

Antes de falar qualquer coisa, é necessário entender a cadeia alimentar e como ela funciona. Ela representa uma sequência de seres vivos na qual um serve de alimento para o outro, é por meio dela que ocorre a transferência de matéria e energia no ecossistema. Cada organismo ocupa um nível trófico dentro da cadeia alimentar, o que é determinado pelo tipo de alimento e pela forma como ele se alimenta.

Em uma classificação dos níveis tróficos (a cobrada no ENEM e vestibulares), há a divisão em três grandes grupos:

  • Produtores: são aqueles seres capazes de produzir seu próprio alimento;
  • Consumidores: que são os que se alimentam dos produtores ou de outros consumidores;
  • Decompositores: em sua maioria bactérias e fungos, que são os que devolvem os nutrientes para o meio ambiente.

cadeia alimentar

Uma outra classificação, que vai ser utilizada para explicar a posição do homem na cadeia alimentar, divide os níveis tróficos de 1 a 5 (números resultantes de um cálculo matemático advindo do regime alimentar e a relação presaXpredador das espécies):

  1. Plantas e algas que produzem seus próprios alimentos e são chamados de produtores;
  2. Herbívoros que comem plantas e são chamados de consumidores primários;
  3. Carnívoros que comem herbívoros e são chamados de consumidores secundários;
  4. Carnívoros que comem outros carnívoros e são chamados de consumidores terciários;
  5. Predadores alfas que não possuem predadores acima deles.

É importante notar que o nível 5 seria o topo da cadeia.

Mas então, qual o nível trófico do ser humano? 

Primeiro, temos que deixar algo extremamente claro: o ser humano não está inserido na cadeia alimentar atualmente. O motivo disso é simples de ser explicado: enquanto o leão caça a sua presa, nós compramos o nosso almoço, porque o único trajeto que fazemos na busca por alimento é de casa até o supermercado.

Com isso dito, para saber a posição do homem na cadeia alimentar, foi necessário ser feito uma pesquisa sobre. A descoberta se deu através de uma equipe francesa no Instituto de investigação para a exploração do mar que calculou pela primeira vez o nível trófico do ser humano. Esse estudo utilizou dados da Organização das Nações Unidas (ONU) para agricultura e alimentação de 176 países sobre o consumo do ser humano de 1961 até 2009.

A conclusão da pesquisa foi de que o ser humano ocuparia na escala trófico algo próximo ao número 2,21. Bem longe do topo e próximo a seres como o porco e anchovas peruanas (que se alimentam de zooplanctons).

O topo na verdade, é ocupado por animais como o urso-polar e a orca (que na escala trófica chegam a 5,5).

O que podemos tirar disso tudo?

Podemos chegar a conclusão de que o argumento de sermos o topo da cadeia e termos “passe livre” para comer animais é inválido.

A verdade é que não estamos no topo de uma cadeia que há muito tempo já não estamos mais inseridos. A crença de que temos o direito de comer outros animais não partiu de algo natural, e sim de algo estabelecido pelos próprios seres humanos. Nossos hábitos alimentares, diferentemente de quem participa da cadeia alimentar, advém de algo cultural, econômico, religioso, entre outros. O ser humano tem sim a capacidade de digerir carne, mas isso não significa que necessitamos dela para sobreviver e, de fato, não precisamos.

Gostou? Para ler mais matérias do nosso blog, clique aqui.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp