Amazônia no Enem: Saiba mais sobre o folclore amazônico

O mais interessante da Amazônia é que alguns personagens lendários do nosso folclore podem nos ajudar a compreender um pouco mais a biodiversidade e o clima da floresta.

1001

A Amazônia está localizada ao norte da América do Sul, possui aproximadamente 5,5 milhões de km² sendo que 40% atinge parte do território de nove países, dentre estes: Colômbia, Equador, Bolívia, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela e os outros 60% abrange os Estados do Pará, Amazonas, Maranhão, Goiás, Mato Grosso, Acre, Amapá, Rondônia e Roraima.

A umidade elevada durante todo o ano é uma das principais características do clima amazônico. Além disso, as chuvas abundantes (entre 3500 e 6000 mm/ano) causam o acúmulo de consideráveis volumes de água, inundando vastas regiões.

Abriga aproximadamente 2.500 espécies de árvores e 30 mil espécies de plantas, elas são essenciais para o clima do planeta, uma vez que reduzem o efeito estufa. Sem falar, que atua como um aparelho de ar condicionado, reduzindo a temperatura junto ao Equador.

Não podemos esquecer que a população do Estado do Amazonas, segundo pesquisas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 2010, é de 3.483.985 habitantes, compreendendo brancos (24,2%), negros (3,1%), pardos ou mestiços (66,9%), indígenas (4,0%) e amarelos (0,3%). Do total da população, aproximadamente 79% vivem em centros urbanos, a capital, Manaus, abriga mais de 50% dos habitantes do Estado.

O mais interessante é que alguns personagens lendários do nosso folclore podem nos ajudar a compreender um pouco mais a biodiversidade e o clima da Amazônia. Vamos a eles!

1.Mapinguari

O Mapinguari é um gigante peludo com um olho na testa e a boca no umbigo. Andando pela mata percebeu que na região situada na Guiana Francesa há três espécies de árvores dominantes:”Symphonia globulifera”, a “Euterpe edulis”, a palmeira que tem folhagem em formato de estrela, e a “Mauritia flexuosa”, que tem folhas mais largas em forma de leque.

Os Ribeirinhos contam muitas histórias de combates entre o Mapinguari e caçadores: “Mapinguari emite um grito semelhante ao grito dado pelos caçadores. Se alguém responder, ele logo vai ao encontro do desavisado, que acaba perdendo a vida, contam os Ribeirinhos”.

2.Boitatá

Boitatá é uma grande cobra de fogo que protege a floresta amazônica das pessoas que provocam queimadas. Vive dentro dos rios e lagos que abrigam 1.400 tipos de peixes e sai de seu “habitat” para assombrar e queimar as pessoas que praticam incêndios , transformando-se em um tronco de fogo. Segundo a lenda, o fogo expelido é mágico, por isso, não queima as árvores e plantas. Ela rasteja pela mata à noite e, às vezes, encontra com a anta que pesa cerca de 300 kg e se alimenta principalmente de frutos, folha e grama.

3. Curupira: o protetor das plantas e animais 

O Curupira tem estatura baixa, possui cabelos avermelhados (cor de fogo) e seus pés são voltados para trás. 

Aqueles que derrubam a mata sem necessidade, os que caçam indiscriminadamente têm no Curupira um terrível inimigo. Para vingar-se, atrai o caçador para o meio da floresta dividida em três grandes grupos (Florestas de Igapó, Florestas de Várzea e Florestas de Terra Firme), lembrando um labirinto sem saída.

Andando pela mata, identificou 104 sistemas de paisagens, apontando a alta diversidade e complexidade de ecossistemas.Na verdade, a lenda do Curupira revela que a relação do homem com a natureza, especialmente, com a floresta amazônica não deve ser de exploração, mas de respeito.

No Enem, a competência referente ao tema “Amazônia Brasileira” é a competência: 6, isto é, compreender a sociedade e a natureza, reconhecendo suas interações no espaço em diferentes contextos históricos e geográficos cujas habilidades características para a temática são H26 e H27, isto é, identificar em fontes diversas o processo de ocupação dos meios físicos e as relações da vida humana com a paisagem. Analisar de maneira crítica as interações da sociedade com o meio físico, levando em consideração aspectos históricos e/ou geográficos.