A Alegoria da Caverna

336

Todo mundo, inclusive QGnianos, já se perguntou por que estamos aqui? Qual a razão da vida? O que é a realidade?  E o que devo fazer com isso? O filósofo Platão escreveu a Alegoria da Caverna pensando em responder algumas dessas perguntas filosóficas, principalmente sobre a natureza da realidade. A Alegoria da Caverna começa com um diálogo entre Sócrates, seu mentor, e um de seus alunos, Glauco.

A conversa começa assim, Platão pede ao Glauco que imagiAlegoriadaCaverna_bannerne uma caverna, onde prisioneiros são mantidos desde a infância. Os prisioneiros ficam acorrentados de forma que o pescoço e as pernas ficam imóveis, os forçando a olhar apenas para uma mesma parede. Atrás deles, há uma fogueira e um corredor onde pessoas podem andar.

As pessoas que ficam nesse espaço entre a fogueira e os prisioneiros, são na verdade marionetes que carregam objetos do dia a dia. Os prisioneiros só conseguem ver a sombra desses bonecos na parede em frente a eles, já que não podem se movimentar. Sendo assim, eles acreditam que o que veem é a realidade, e não uma representação do que de fato é real.

A alegoria sugere uma reviravolta: e se um prisioneiro se soltasse e olhasse para trás vendo o fogo? A luz da chama machucaria seus olhos, uma vez que esteve dentro de uma caverna quase que sua vida inteira, vendo a luz da chama apenas refletida. Mesmo virando de volta para a parede, sua visão ficaria distorcida e ele saberia agora que o que viam não era real.

E se esse mesmo prisioneiro fosse levado para fora da caverna? Ele ficaria ainda mais desorientado, a luz do sol seria ainda mais brilhante que a do fogo. Mas assim que seus olhos se acostumassem, ele poderia ver além das sombras, ele veria dimensões e reflexões na água (até de si mesmo).

alegoria da caverna

Depois de ver de fato o mundo real, ele ficaria triste pelos seus amigos prisioneiros. Se ele voltasse à caverna e se reunisse a eles, ele não se entreteria mais olhando para as reflexões dos bonecos na parede. Os prisioneiros, por sua vez, o julgariam, o chamariam de maluco e diriam ainda que sair da caverna o fez mal.

QGnianos, a ideia é o seguinte: uma vez que você entende o que é a realidade, é o seu papel, de detentor do conhecimento, passar a informação para outros. Tirar os ignorantes de “dentro da caverna” e levá-los para o conhecimento verdadeiro. Isso significa que, obviamente, os que não possuem o conhecimento terão uma resistência em acreditar, até porque a caverna é tudo que eles conhecem. Porém, isso não muda o dever de quem sabe de passar adiante o conhecimento.

O sol que brilha no exterior da caverna representa a forma de Deus, que nesse sentido quer dizer o deus da criação. Nós somos mantidos em cativeiro, vendo meras sombras de coisas que não são nem os próprios objetos, mas apenas bonecos. Os objetos verdadeiros só podem ser encontrados do lado de fora da caverna, no mundo inteligível das formas, conhecido como razão.