50 anos da Primavera de Praga

2175

Em 5 de janeiro de 1968, Alexander Dubček assumiu o poder da Checoslováquia iniciando o período histórico chamado Primavera de Praga. O país estava sob domínio do partido Comunista Soviético de Moscou há 23 anos. Havia uma forte regulamentação na imprensa e outros meios culturais, ou seja, nada era feito sem a aprovação do partido que estava no poder.

Alexandre Dubček

Durante a Segunda Guerra Mundial, Alexander Dubček sofreu em meio aos nazistas por fazer parte de movimentos liberais. Essa trajetória colaborou para que Dubček ganhasse prestígio perante o partido Comunista e com isso ganhasse espaço para que seu objetivo fosse alcançado: agir em prol de uma possível liberdade para o povo Checoslovaco em meio à repressão.

O liberalismo de Dubček incomodou a direção política da época, mas mesmo com muita relutância pela parte soviética, ele conseguiu subir ao poder em 5 de janeiro de 1968 e declarou a “desestalinização” do país. Com o poder, o monopólio do partido Comunista Soviético foi derrubado e o multi-partidarismo começou a existir na Checoslováquia.

O objetivo das mudanças de Dubček era de existir uma espécie “social-democracia”. O político teve apoio de grande parte da população do país e principalmente de sua capital, Praga. Professores, jornalistas, artistas e muitos outros profissionais demonstraram apoio ao novo líder político.

Entre julho e agosto de 1968, os soviéticos invadiram novamente a cidade de Praga, pois já estavam perdendo o controle do país. Tanques de guerra e exércitos começaram a fazer parte do cenário da capital. Dubček foi preso por soldados soviéticos e a população sofreu tentativas de repressão, mas por surpresa dos militares, não houve resistência ou nenhum tipo de movimento para uma possível guerra, mas sim atitudes pacíficas por parte da população de Praga.

População agindo de forma pacífica durante a invasão soviética

Houve uma tentativa, por parte dos soviéticos, de uma nova formação de poder para o país, mas eles não encontraram o apoio necessário enquanto Dubček estava preso em Moscou. Lá, ele foi informado que a população estava sendo atingida de todas as formas pelos soldados invasores e que se não fosse declarado o fim da Primavera de Praga, o país seria bombardeado por mísseis e todas as cidades seriam destruídas. Por não saber o que realmente estava acontecendo, Dubček declarou o fim da Primavera de Praga.

Foi então, que na segunda metade de 1968, o partido Comunista Soviético anti-liberal voltou ao poder e permaneceu até o fim da União Soviética, em 1991.