3 documentos históricos para você usar na redação

Documentos que podem te dar aquela força no repertório sociocultural de sua redação!

551
Postado: 24 de agosto, 2020
documentos históricos

Os temas de redação do ENEM costumam exigir dos candidatos que dissertem sobre algumas problemáticas, na maioria das vezes sociais, que marcam o atual cenário brasileiro. Além disso, a banca cobra também que os alunos utilizem-se de um repertório sociocultural para abordar a temática, seja com Sociologia, Filosofia, História ou outras ciências. Por isso, a matéria de hoje vai tratar sobre três documentos históricos que podem te ajudar na contextualização dos assuntos abordados na redação.

documentos históricos

  • Declaração dos Direitos do Homem e Cidadão, 1791

O recorte cronológico pode ser longo, porém, no Ocidente, todo o conceito de igualdade jurídica e liberdade individual contemporâneo foi, em grande parte, influenciado por esse documento redigido durante o período da Revolução Francesa (1789-1799).

Em seu artigo primeiro, a declaração revolucionária dizia “Os homens nascem e são livres e iguais em direitos. As distinções sociais só podem fundar-se na utilidade comum.”. Ao considerarmos a ideia de República brasileira como fruto dos ideais iluministas nascidos no século XVIII, podemos criar uma relação a respeito do simbolismo desse documento e os atuais desafios para sua efetivação.

  • Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948

Já mais recente, os Direitos Humanos são uma importante ferramenta na elaboração de seu texto, inclusive na proposta de intervenção. Nascido como uma resposta imediata ao choque humanitário da experiência do Holocausto nazista, o principal objetivo do documento era (ainda o é até hoje) ser universal, no sentido de não ser restrito às fronteiras territoriais.

Segundo a própria ONU, Direitos Humanos são “direitos inerentes a todos os seres humanos, independentemente de raça, sexo, nacionalidade, etnia, idioma, religião ou qualquer outra condição”. A garantia da dignidade humana independente de credo ou qualquer individualidade pode ser como uma ótima contextualização em diversas temáticas.

  • Constituição federal de 1988

Em caso de um recorte nacional a respeito do tema da redação, a abordagem da Constituição de 1988 é uma estratégia de contextualização perfeita. A Carta promulgada com o fim da ditadura civil-militar brasileira (1964-1985) representava o retorno dos ares democráticos ao país.

Além de seus artigos principais, a “Carta Cidadã” prevê a constitucionalidade de diversos estatutos que podem te ajudar a tratar sobre temáticas mais específicas, como por exemplo: Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), Estatuto da Cidade, Estatuto do Idoso etc.

Por fim, vale ressaltar a importância de se realizar uma boa contextualização em seu texto. Assim sendo, você demonstra ao corretor ciência de que aquela problemática dialoga com outras questões que ganham pauta em diversos contextos históricos, refletindo por exemplo na promulgação de alguns documentos imortalizados, como visto acima.