As Vozes dos Estudantes

Os protestos dos estudantes chamaram a atenção para os grandes entraves que afetam a educação no país, em cada nível de ensino – do básico, que compreende a Educação Infantil, Ensino Fundamental e o Ensino Médio, ao Superior.

0
681

Diante dos anúncios do governo de São Paulo de impulsionar uma reestruturação na rede estadual de educação – que causaria o fechamento de mais de 90 escolas e na transferência de 331 alunos – estudantes secundaristas promoveram protestos que chegaram ao ponto da ocupação de 200 escolas, entre novembro de 2015 a janeiro de 2016.

A ocupação das escolas e articulação entre os alunos por meio da internet e das redes sociais, concorreram para a propagação do protesto, que ganhou o apoio de movimentos sociais, de artistas e influenciou movimentos semelhantes em pelo menos 8 estados brasileiros. Nomes como Chico Buarque, Arnaldo Antunes, Criolo, Emicida, Pitty, Metá Metá, Paulo Miklos, Zélia Duncan e Chico César se envolveram na briga dos estudantes, gravando música, organizando um “viradão cultural” ou fazendo apresentações gratuitas nas escolas.

Os protestos dos estudantes chamaram a atenção para os grandes entraves que afetam a educação no país, em cada nível de ensino – do básico, que compreende a Educação Infantil, Ensino Fundamental e o Ensino Médio, ao Superior.

Educação Infantil

Voltada a crianças de zero a seis anos, a Educação Infantil é considerada uma etapa fundamental para as mesmas. Segundo a diretora da Divisão de Educação Infantil e Complementar (DEdiC) da Unicamp, “a Educação Infantil tem avançado muito em relação a legislação, diretrizes e propostas pedagógicas. Mesmo assim, um dos maiores problemas está ligado à falta de preparo dos professores. O professor realmente preparado deve realizar um trabalho voltado ao desenvolvimento da criança, e não apenas adaptar aquilo que é proposto aos estudantes maiores”, diz.

Ensino Médio

É considerado o grande desafio da Educação Brasileira – apenas metade dos alunos que ingressam no ensino médio conclui o curso. As razões são variadas, como a necessidade de trabalhar e a gravidez precoce. Mas as principais são da própria organização de ensino, como métodos pedagógicos ultrapassados e a má formação dos professores. Dessa forma, jovens pouco atraídos pelos estudos, muitas vezes em situação de atraso escolar e para quem o Ensino Superior é apenas uma possibilidade remota, tendem a abandonar a escola.

Ensino Superior

As conquistas na Educação Superior foram muitas nos últimos anos. A oferta de bolsas e financiamentos públicos nas universidades privadas, como o Programa Universidade para Todos (ProUni) e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), possibilitaram que o número de universitários aumentasse de 4,2 milhões em 2004 para 7,8 milhões em 2014. Outra grande conquista foi o aumento de vagas de ingresso nas universidades e institutos federais. O desafio é garantir um ensino médio de qualidade, isto é, sem solucionar os problemas da formação dos alunos nesse nível de ensino, dificilmente haverá uma boa formação superior.

Os protestos dos estudantes apontaram para os grandes entraves da Educação brasileira que contribuem para as dificuldades de aprendizagem que levam ao mau desempenho e à evasão escolar.

Para ir além deste post, assista ao documentário Acabou a Paz, Isto Aqui Vai Virar o Chile! (2016, de Carlos Pronzato) que mostra um pouco mais sobre as ocupações das escolas em São Paulo.

 

Comentários

comentários

Sem comentários

DEIXE UMA RESPOSTA