O Humor na Construção da Identidade Brasileira

O Humor na Construção da Identidade Brasileira: treine para a redação do Enem junto com o QG.

0
3310

Com base na leitura dos seguintes textos motivadores e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma culta escrita da língua portuguesa sobre o tema O humor na construção da identidade brasileira, apresentando experiência ou proposta de ação social, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

Deixe claro o seu ponto de vista, por meio de argumentos coerentes e com embasamentos teóricos.

TEXTO 1

humor

(http://www.portalfiel.com.br/charges/141-charge-politica-ou-show-de-humor.html)

TEXTO 2

Paulo Gustavo estreia peça e rebate fofocas na web: ‘Me acostumei’
Humorista está em cartaz em ‘On-line’, em que interpreta a si próprio

RIO — Paulo Gustavo atende o telefone e avisa que o repórter interrompeu um áudio que ele estava gravando para um amigo. Mas não em tom de reclamação. Na verdade, é quase um agradecimento:

— Ninguém merece ouvir áudio de cinco minutos no celular.

Curiosamente, o “incidente” tem relação com o tema de “On-line”, peça que o humorista estreia nesta sexta-feira no Oi Casa Grande. Cheia de metalinguagem, a história gira em torno de um homem — o próprio Paulo, interpretando a si mesmo — que tenta apresentar um espetáculo, mas é constantemente interrompido por imprevistos.

Por exemplo, logo no começo bandidos e policiais invadem o palco. Mais tarde, é a vez de uma manifestação política entre “coxinhas” e “petralhas” entrar em cena. O personagem se vê forçado a participar involuntariamente desses eventos inspirados nas experiências cotidianas dos brasileiros. No meio disso tudo, referências à relação entre o ser humano e a tecnologia.

— É uma comédia de situação, um retrato do dia a dia — define Paulo Gustavo. — Fazemos milhões de coisas e, no fim, não sabemos o que fazer. Estamos sempre plugados em alguma tecnologia. Há ruídos e imprevistos. A peça fala, sobretudo, sobre o quanto somos viciados em internet. Dia desses fiz terapia via Skype.

Como se sabe, as facilidades que vêm com a internet também têm o seu preço — principalmente para uma celebridade, exposta a uma infinidade de ataques e especulações. É só colocar o nome de Paulo Gustavo no Google para encontrar um leque de ofensas. Segundo vários sites de fofoca, ele é antipático, detesta interagir com fãs e arruma confusão nos bastidores dos programas:

— Quando comecei a fazer sucesso e a receber ataques, foi um choque. Hoje, tiro de letra. Essa história de que não tiro foto com fã é uma mentira que não se sustenta. Seria impossível não tirar fotos.
SERVIÇO

Onde: Teatro Oi Casa Grande — Avenida Afrânio de Melo Franco 290, Leblon (2511-0800). Quando: Sex., às 21h30m; sáb., às 19h e às 21h30m; e dom.; às 20h. Até 19/2. Quanto: R$ 150. classificação: 14 anos.
(http://oglobo.globo.com/cultura/teatro/paulo-gustavo-estreia-peca-rebate-fofocas-na-web-me-acostumei-20448247 )

TEXTO 3

Mau humor ou distimia?

Os problemas do dia-a-dia geralmente causam um desconforto em muitas pessoas. E a rotina estressante pode atingir o humor de quem se abala com qualquer coisa. Mas uma atenção especial deve ser dada às pessoas que, frequentemente, ficam mal humoradas, porque o problema pode ser muito mais do que um simples distúrbio passageiro.

A distimia é uma doença causada por mau humor crônico e influencia não só a vida do paciente como também das pessoas que convivem com ele. Segundo o psiquiatra Antônio Nardi, uma das principais dificuldades em diagnosticar a doença é a similaridade dela com questões comuns de mau humor do dia-a-dia.

“Quando algo nos incomoda, como um trânsito muito ruim ou alguém pisa no nosso pé, é natural ficar de mau humor. Esse é o que chamamos de mau humor ocasional”, afirma. Mas quando estas alterações de humor são muito comuns, a doença pode estar se manifestando. “O distímico fica irritado porque está chovendo ou porque está sol. Tudo é motivo para mau humor”, compara o médico.

Uma característica comum do paciente com distimia é a irritação e preocupação excessiva até quando a situação é positiva. Nardi destaca que o doente consegue ver problema em casos aparentemente 100% benéficos, como ganhar na loteria. Segundo o especialista, caso isso aconteça com ele, será normal que se preocupe com os problemas que o dinheiro trará. “Os distímicos não apresentam apenas o mau humor, ele têm também tristeza, pessimismo, baixa auto-estima e falta de prazer na maioria das atividades”.

Em geral, a distimia começa a aparecer na adolescência ou no adulto jovem e pode durar a vida toda, se não for tratada. Os sintomas que mais chamam a atenção, no seu início, são a irritação com qualquer coisa, o costume de ver problemas em tudo e o isolamento social. Dados da Organização Mundial de Saúde apontam que 3% da população pode ser atingida pela doença e as mulheres são afetadas duas vezes mais do que os homens. Se a doença não for tratada (geralmente o tratamento dura dois anos), o paciente tem 70% de chance de desenvolver a depressão.

As principais diferenças entre a distimia e a depressão são a relação social do paciente e alguns sintomas físicos desta última, como alteração de apetite, sono e energia. Enquanto a pessoa depressiva busca se isolar de qualquer atividade, o distímico continua realizando suas funções normais. “A depressão dificulta o indivíduo de trabalhar, de ir a compromissos sociais e de praticar esportes e a distimia compromete a capacidade de prazer e satisfação destas atividades, mas o indivíduo não deixa de realiza-las”, destaca o psiquiatra.

Por isso é mais complicado que pessoas leigas notem a doença, elas apenas percebem que há algo de errado. “Nem o distímico e nem a sua família sabem distinguir o que é a distimia e o que é o indivíduo”, ressalta Nardi. Sendo assim, apenas um psiquiatra será capaz de diagnosticar e tratar a doença.

 

(http://www.minhavida.com.br/bem-estar/materias/485-mau-humor-ou-distimia)

 

Comentários

comentários

Sem comentários

DEIXE UMA RESPOSTA