Em Nome da Vida

Seja em laboratórios ou consultórios, o médico sempre está trabalhando para atenuar o sofrimento humano.

0
1383

Mais do que salvar vidas, a profissão de médico se propõe a aliviar o sofrimento humano. Da descoberta de curas para doenças ao acolhimento do paciente, os motivos que levam os estudantes a encarar um dos vestibulares mais concorridos do país são variados. No caso do entrevistado deste mês, o carioca Gabriel Villard Milet, 27 anos, a medicina era um sonho de criança, alimentado pela influencia do avô, que era clínico – opção escolhida pelo neto.

Medicina 2O estudo é uma constante na vida dos médicos: são seis anos de graduação, mais, no mínimo, dois de residência médica e a necessidade constante de acompanhar os conhecimentos descobertos na área. Ciente dessa exigência, Gabriel conta que sua trajetória na profissão foi sempre se dedicando aos estudos. Durante a faculdade passou em vários concursos acadêmicos e conseguiu realizar um estágio remunerado na emergência de um hospital. Em su primeiro ano de residência, trabalhou em clínica médica do Hospital Universitário Pedro Ernesto, no Rio de Janeiro, e no Pronto Atendimento da Unimed.

Na entrevista a seguir, o médico fala sobre o seu fascínio pela área da clínica médica e aponta quais os principais desafios do curso que atrai milhares de interessados.

 QG – Por que você optou pela carreira de médico?

Gabriel Milet (GM) – Por ser um sonho desde garoto e por ter tido a influência do meu avô, que era médico.

QG – Qual a especialidade dele? Alguma lembrança de vocês que lhe remeta a decisão de fazer medicina?

GM – Meu avô era clínico e também trabalhava na área de análises clínicas em seu laboratório. A grande lembrança que tenho era das histórias de grandes casos clínicos e diagnósticos que fazia no seu dia a dia. Isso foi um grande estímulo para o meu segmento nessa mesma profissão.

QG – Medicina tem um dos vestibulares mais concorridos do país. Na sua opinião, quais características são necessárias para quem pensa em ingressar no curso?

GM  As principais características são ter vontade de vencer e não desistir do seu objetivo; não importando quantas vezes irá fazer [o vestibular], pois em um determinado momento a sua aprovação irá chegar. E colocar os estudos como o foco maior no momento para poder chegar bem preparado e concentrado nas provas. Além do mais, a cada ano que passa, a disputa fica mais acirrada.

QG – Qual foi o seu principal desafio durante a graduação?

GM  Foi sair do ciclo básico e entrar no ciclo profissional, que se dá no terceiro ano da faculdade. Esse foi o melhor ano. É neste ano que os estudantes de medicina começam a entrar mais em contato com os pacientes, aprender a examinar e a chegar aos diversos diagnósticos sindrômicos. É esse o momento no qual o aluno enxerga a sua grande responsabilidade de estar lidando com vidas e o faz refletir de como tem que se entregar para a profissão, sendo para mim o ponto-chave da graduação em medicina.

QG – São muitas as especialidades que o bacharel em medicina pode optar. Como foi o seu processo de escolha?

GM –  O meu processo de escolha foi muito bem escolhido e também, de certa forma, influenciado de maneira positiva por grandes professores que tive como o Dr. Manoel Ricardo e o Dr. Michel Cukier. Apesar de ter pensado muito em como seria o meu dia a dia em cada especialidade, vi que o mais importante era fazer o que gostava para, assim, poder dar o melhor de mim para a minha carreira.

QG – Sendo a tua carreira baseada no que mais gosta, você pode falar um pouco sobre a clínica médica e o que lhe atraiu nela?

GM –   A clínica médica é uma área que abrange diversas especialidades, sendo necessária como pré-requisito para as outras residências médicas, como, por exemplo, cardiologia, reumatologia, nefrologia e outras mais. A clínica médica é a base da medicina, sendo intrigante os diversos pensamentos, discussões e diagnósticos diferenciais que ela proporciona. Esse foi um dos grandes motivos que me fez escolher e desbravar os mistérios impostos por essa área tão fascinante.

QG – Qual a sua visão sobre o mercado de trabalho atualmente? Há alguma área com mais demanda de profissionais?

GM- Apesar de o mercado de trabalho, por um lado, estar sobrecarregado, sempre terá vagas para bons profissionais. Dentro da clínica médica, a especialidade de maior demanda de profissionais é a cardiologia.

QG – O atendimento em consultórios e hospitais são as áreas de atuação mais conhecidas. Em quais outros campos os médicos podem trabalhar?

GM  Além desses locais tradicionais, o médico pode trabalhar em clínicas de medicina de família; nas grandes empresas como médico do trabalho; em postos de saúde; ambulâncias; no Corpo de Bombeiros, nas Forças Armadas e outras variadas áreas.

 

 

 

 

Comentários

comentários

Sem comentários